Hipotermia em Cães e Gatos

14 / maio / 2012


Aquecimento por calor radiante ( vento quente com controle digital de temperatura ) aplicado sobre o cobertor do paciente hipotérmico – método mais eficiente de aquecimento sem risco de queimadura.

Medir (mensurar) a temperatura de todos os cães e gatos atendidos no Pet Care faz parte de todo atendimento clínico. Normalmente fazemos isso para saber se o animal esta com febre, mas podemos descobrir também que a temperatura está muito baixa e isso pode ser grave. Filhotes (neonatos com menos de 30 dias de idade), gatos, e animais senis (velhos) são os principais candidatos a hipotermia.

Hipotermia é a queda de temperatura abaixo do normal em animais que mantem a temperatura constante (exemplo de cães e gatos cuja temperatura corpórea fica em torno de 38,3 e 39,3° C). Podemos ter classificar a hipotermia em.

– Hipotermia discreta: entre 32,2 a 35° C.

– Hipotermia moderada: entre 28,2 e 32° C.

– Hipotermia grave: abaixo de 28 ° C.

CAUSAS DE HIPOTERMIA:

– Temperatura ambiente muito baixa (inverno, umidade, vento frio)

– Termorregulação prejudicada como em neonatos (filhotes), animais idosos,animais com hipotireoidismo (disfunção da tireoide) ou disfunção do hipotálamo.

– Animais doentes, debilitados ou com lesões extensas favorecendo a perda de calor.

– Animais muito pequenos.

– Geração inadequada de calor como em neonatos animais caquéticos.

– Pouca gordura corporal e baixas reservas de açúcar como animais com hipoglicemia.

– Idade muito avançada.

– Anestesia e cirurgia.

SINAIS CLÍNICOS:

Comprometimento da consciência, arritmias, hipotensão, diminuição da frequência cardíaca, depressão respiratória, hipoxemia, tremores, mucosas pálidas, pupilas dilatadas e fixas (olhar vago).

Muito comum em raças pequenas ( de pequeno porte), neonatos e cães idosos.

TRATAMENTO:


Método de bolsa quente que pode ser feito feito em casa com garrafa pet ou luva com água aquecida em microondas – muito cuidado com queimaduras.

A grande maioria dos casos recebe tratamento ambulatorial, retirando a causa da hipotermia e/ou corrigindo possíveis alterações sistêmicas que levem a isso. Em casos de hipotermia grave o suporte de oxigênio é muito importante.


Bolsa própria para aquecimento – também tem risco de queimaduras.

Na hipotermia discreta o reaquecimento passivo com cobertores e aquecimento ambiental pode ser suficiente.

Na hipotermia moderada deve-se usar fonte de calor externa como bolsas de água quente e calor radiante (ventiladores aquecidos), sem causar vasodilatação periférica e tomando muito cuidado para não queimar o animal – nunca deve-se colocar a bolsa ou cobertor em contato direto com a pele do animal e nunca colocar o animal deitado sobre o cobertor elétrico, principalmente se ele tiver dificuldade de se locomover ou estiver semicomatoso.


Mesa cirúrgica com aquecimento interno – sem riscos de queimaduras. Controle analógico de temperatura.

Na hipotermia severa/grave, deve se usar técnica de aquecimento central, inclusive lavagem gástrica e peritoneal,com água quente, enema de água quente, soro intravenoso aquecido entre outros.

Outra causa muito comum de hipotermia e no período trans cirúrgicopós cirúrgico e/ou pós anestésico. Nesse casos deve se evitar a perda da temperatura durante o procedimento. Soro aquecido, ambiente aquecido e mesa cirúrgica aquecida ajuda no controle da temperatura do paciente cirúrgico. As grandes cirurgias com perda de líquidos/sangue devem ser monitoradas com maior cuidado.

O Hospital Veterinário Pet Care conta com um equipe preparada e com equipamentos de última geração para aquecer e manter os nossos pacientes cirúrgicos ou internados com a temperatura normal.

 

Pin It on Pinterest